|borboletas-sempre-voltam|

|borboletas-sempre-voltam|

sábado, 13 de novembro de 2010

1,2,3 e Já!


Primeiro você cai num poço.
- Mas não é ruim cair num poço assim de repente?
No começo é. Mas você logo começa a curtir as pedras do poço.
O limo do poço. A umidade do poço. A água do poço.
A terra do poço. O cheiro do poço. O poço do poço.
- Mas não é ruim a gente ir entrando nos poços dos poços sem fim?
-A gente não sente medo?
A gente sente um pouco de medo mas não dói.
- A gente não morre?
A gente morre um pouco em cada poço.
- E não dói?
Morrer não dói. Morrer é entrar noutra.
E depois:
no fundo do poço do poço do poço do poço você vai descobrir quê.
[Caio F.]


Agora é pra valer!

Depois de um surto. Exclui todas as minhas contas em redes sociais. Não quero mais saber de gente por um bom tempo. Chega de ficar em cima do muro, de ser agradável e ingênua. Um pouco de agressividade não faz mal a ninguém.

Me dou o direito de recomeçar, sem lembranças, sem recordações, e o mais importante SEM PASSADO.

Sei o quanto é importante todo o meu passado. Mas perdi muita coisa. E andava sentindo muita saudade do que perdi e queria de volta, queria tudo de volta. Não quero mais, já doeu uma vez, e foi o suficiente. Perdi também partes irrecuperáveis de mim. Reavaliei alguns dos meus mais valiosos conceitos. Decidi e decretei que a partir de hoje a parte de mim que se perdeu NÃO VOLTA NUNCA MAIS.

Juro que procurei todos os meus pedaços espalhados pelo caminho que percorri. Tentei contar os passos, não consegui. A verdade é que pra uma garotinha de 22 anos eu já andei demais.

Eu morri tem tanto tempo. Morri 10 vezes, ressuscitei 20. Mas a cada ressurreição eu voltava incompleta e cada vez mais insatisfeita por não me encontrar.

Não quero mais me encontrar. Volto a reafirmar que aprendi a me amar do jeito que sou. IMPERFEITA e INCOMPLETA.

Reavaliando conceitos entendi que andei me doando demais. E paguei o preço. Não aceito devolução. Se acharem algum pedaço meu jogado por aí, não me avisem.

E não me peçam pra voltar porque o que ficou pra trás foi justamente o que me fez partir.


Taila Ueoka.

Nenhum comentário:

Postar um comentário