|borboletas-sempre-voltam|

|borboletas-sempre-voltam|

sábado, 14 de agosto de 2010



"E não era impressionante como um sentimento podia se transformar em água,
e ir pingando por uma rua toda feita de pedras?
Eu pisava em lágrimas, poeiras e pedras,
sem me lembrar que as lágrimas também evaporam e depois viram nuvens.
As nuvens que, algum dia, desceriam furiosas,
castigando janelas e portas,
enquanto eu tentasse salvar, no colo do meu vestido,
a
mais bonita de minhas histórias."
(Rita Apoena)
[Era pra ser do Caio, mas nada melhor que esse trecho de Rita pra descrever meu momento!]


Não venha me falar que você tentou.
Eu queria muito saber quem é ela, que parece ter conseguido tão facilmente o que eu arduamente tentei. E tentei em vão. E tentei porque ingenuamente pensei que eu pudesse te render antes de me render. Que eu pudesse te fazer esquecer o seu passado antes mesmo que eu pudesse esquecer o meu.
E eu que achei que o meu passado era complicado, que meu relacionamento anterior que tinha me devastado inteira, que tinha me feito perder o rumo e a vontade de viver, tinha ao menos servido de lição pra que eu entendesse que gostar de alguém é transformar qualquer vida em inferno.
Gostar de alguém é transformar várias vidas em inferno.

Taila Ueoka.

Nenhum comentário:

Postar um comentário