|borboletas-sempre-voltam|

|borboletas-sempre-voltam|

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Te escrevo, enfim, me ocorre agora, porque nem você nem eu somos descartáveis..."



"Me queira bem. Estou te querendo muito bem neste minuto.(...)
Fique feliz, fique bem feliz, fique bem claro, QUEIRA SER FELIZ.
Você é lindo e eu tento te enviar a minha melhor vibração de axé.
Mesmo que a gente se perca, não importa.
Que tenha se transformado em passado antes de virar futuro.
Mas que seja bom o que vier, para você, para mim. (...)
P.S.: Te escrevo, enfim, me ocorre agora,
porque NEM VOCÊ NEM EU SOMOS DESCARTÁVEIS.
E amanhã tem sol."
(Só podia ser dele: (Caio F.
)




Eu já consegui estragar todos os meus relacionamentos, simplesmente porque gostei demais das pessoas. Mas dessa vez eu quero acertar. Por você e por mim. E por isso, combinei comigo que, ainda que eu comece a morrer de amores por você, eu não vou gostar de você.
Eu não quero ficar pensando se isso vai durar mais um dia ou mais uma semana, ou quem sabe, se eu tiver sorte, mais um mês. Eu juro que saber o prazo de validade não me importa. Mas eu queria muito que você suportasse ficar comigo mais de um mês sem me achar louca. É que eu cansei de ser a garota louca que sempre espanta todo mundo. E é tão engraçado, minha intuição me diz que você não vai se assustar comigo.
Eu nunca me senti tão confortável ao lado de nenhum outro homem. Posso estar me iludindo (mais uma vez), mas é que dessa vez eu sinto que você não vai querer mudar muita coisa em mim... porque você também tem consciência das suas limitações, dos seus defeitos, das suas imperfeições. E é como se você fosse tão imperfeito, que fosse feito perfeitamente pra mim. E eu nem quero saber se você sente o mesmo. É que você é homem da minha vida essa semana. Semana que vem pode ser outro. Mas dessa vez eu quero acertar.
E toda vez que eu penso em você, meu coração dispara, mas eu mando ele parar. Estraguei todos os meus relacionamentos de tanto que me coração dispara.
Você tem cheiro de roupa limpinha com mente suja e eu quero te rasgar inteiro. Será que estou me precipitando?
Mas é que dessa vez eu vou acertar, mesmo pensando que com você eu posso ser eu mesma, eu vou de leve, não vou chorar porque eu acho um absurdo estar viva, não vou pirar porque deu quatro da manha e eu não quero que a noite acabe. Não vou beijar sua nunca no meio da noite como naquela canção do Legião que diz que “é como se não houvesse amanhã”.
Eu gosto das pessoas pelo prazer de gostar delas e não porque deu tempo de gostar delas. E ninguém entende nada. E todo mundo se assusta...
E você me parece o primeiro homem do mundo que pode gostar de mim com toda minha falta de lucidez, é o primeiro que ainda não sabe que eu escrevo sobre a minha vida. Todos os homens morrem de medo disso e eu não agüento mais essa solidão que me dá toda vez que eu procuro um pouco de amor nos beijos e abraços curtos que alguém me da só pra ter uma companhia. Chega!
E eu vou ficar triste se você sair logo da minha vida.
É que eu gosto do cheiro do seu cabelo. A maneira descabelada que você usa pra parecer arrumado. E eu gosto do seu sorriso. E eu não agüentava mais pensar nos mesmos caras que eram sempre os mesmo caras. E você é novinho em folha. Você me salvou, sabia? Porque nunca ninguém fez com que eu me sentisse tão bem comigo mesma. E se você desaparecer na próxima semana, eu continuarei gostado de mim. E isso não é maravilhoso?
É, você é novinho em folha e estou começando a achar que vou ficar louca por você. Mas não vou te contar tudo isso pra você não achar que eu sou louca.
Dessa vez eu vou fazer tudo certo. Apesar de eu sentir medo por estar me encantando cada vez mais e me deixar levar por meras ilusões, eu não quero parar enquanto é tempo.
Eu tenho medo de você descobrir meus milhões de segredos, tenho medo que você me veja sem maquiagem, que me veja dormir de boca aberta, que veja meu corpo, que leia meus pensamentos, que enxergue alem do que eu sou capaz de mostrar. Tenho medo de não ser convincente na cama, tenho medo que meu choro e minha maneira de ver o mundo te assombre, tenho medo que você não descubra o meu lado mais interessante, que não dê tempo pra isso, tenho medo de achar que o seu cheiro é o cheiro de uma nova vida que eu estava precisando tanto. Tenho medo de realmente não ser suficientemente boa pra você e de não merecer ter ao meu lado alguém tão imperfeito assim, feito pra mim.
E dessa vez eu vou fazer tudo direitinho.
É, e você nem sonha que eu sou meio bipolar, que quero ser mãe e que acredito no amor da vida. Acredito no amor pra sempre. Acredito em alma gêmea. Você nem sonha com essas coisas porque só conversamos coisas leves e engraçadas.
Será que se eu realmente te mostrar meu pior, você vai suportar me assumir, vai merecer o meu melhor?
E então eu corro de novo pra frente do espelho e repito mais cem vezes que eu não vou gostar de você, não vou gostar de você, não vou gostar de você.
Porque se eu gostar de você, eu sei que você vai embora. E eu simplesmente não agüento mais ninguém indo embora. Porque eu sei que nessa vida maluca, só se dá bem quem ignora a brevidade da vida e brinca de não estar nem ai pro amor. E eu preciso me dar bem e por isso ignoro minha urgência de precisar de alguém.
E eu quero te ganhar, quero me dar de bandeja pra você. E eu quero sim, que você desvende meus segredo e desejos mais secretos, que você me veja sem maquiagem, que me veja dormir de boca aberta igual criança, que conheça cada detalhe do meu corpo, que adivinhe todos os meus pensamentos, que extraia o que há de melhor em mim. Eu quero te fazer suspirar por mim, quero ser suficientemente boa pra você, quero te deixar exausto...
E dentro de mim, uma voz me diz: Taila, vá com calma.
Mas não adianta mais....
Porque eu quero berrar o quanto gosto de você e rasgar sua roupa e dormir de conchinha. E te mandar flores amanhã. E mais uma vez agir como um homem.
Dessa vez tem que dar certo. E se você não se apaixonar por mim, eu não me importo porque você se tornou especial pra mim quando me fez perceber que eu posso sim, sem medo, ser eu mesma e que eu não preciso mudar muita coisa em mim pra agradar alguém, porque eu acabei de descobrir que esse meu jeito todo louco de ser é interessante também. Eu acabei de descobrir sentimentos lindos.
Eu me apaixonei por mim... e sim, eu já estou apaixonada por você.

(*uma adaptação de um texto de Tati Bernardi)

domingo, 6 de junho de 2010



"Eu mudei.
Embora continue o mesmo.
Eu sei que você compreende."
(Caio F.)



Ainda tem aquelas coisas escritas na parede do meu quarto... (Acho que você nem sabe disso).
E quando eu volto pra minha casa e releio o que escrevi há alguns anos, me sinto meio ridícula.
Se eu ainda sou a mesma de cinco ou dez anos atrás, por que será que aquelas frases que se encaixaram tanto na minha vida naquela época já não me servem mais? Ou será que eu não sou mais a mesma?
É, eu custo a crer no quanto mudei.
Me lembrei agora, que você ri quando eu falo algo e te lembra a menininha de algum tempo atrás. Você diz com tanta certeza, como se fosse pra que nós dois acreditássemos: ‘você não mudou nada, né’. E eu concordo. Aliás, concordava. Porque hoje, quando abri a porta do meu quarto e reli frase por frase... eu senti uma certa mágoa... o que fizeram de mim?
Naquela época eu ainda não escutava Los Hermanos... e eu aprendi a gostar deles sozinha... eu tinha uns 17... escutei no rádio: “não te dizer o que eu penso, já é pensar em dizer”, e isso foi o suficiente pra despertar meu interesse.
Acho que você também não sabe que eu perdi o cd deles que ganhei no meu aniversário. Juro que revirei a casa, meu quarto, minha caixinha de boas lembranças, e ele não estava em nenhum desses lugares... mas eu ainda (quase) lembro da música que você me “deu”... “Ouvi dizer do teu olhar ao ver a flor, não sei por quê, achou ser de um outro rapaz”, era essa? Não tenho tanta certeza. Eu não esquecia dessas coisas antes... custo a acreditar e me dói dizer que mudei...
Tenho conversado com tanta gente, e ainda assim tenho me sentido tão distante de todo mundo. E como vê, voltei a escrever... e não sei dizer se isso é bom ou ruim. Você certamente achará isso legal. Porque eu sei que você gosta quando eu provo pra mim que quem manda aqui sou eu, e eu me mostro inteira, sem medo nem culpa. Porque você sempre sorri quando me vê vestida de mim, sem máscaras, sem enganos, sem meias-palavras! E é justamente no momento em que escrevo, quando eu poderia ser qualquer coisa, ser qualquer outra, que eu sou eu mesma.
Do que eu era ficou a recordação... E o que me entristece é essa leve descrença no ser humano que eu não posso evitar - aprendi isso nos últimos anos. E você me diz que eu estou errada, que eu devo continuar confiando no ser humano. E eu - teimosa como sempre - te digo que continuar tão boba e perdida como antes, teria sido fatal. E você sabe bem do que eu estou falando!

Taila Ueoka.